Por um mundo sustentável

Se parar para observar, em vários lugares do nosso dia a dia existem ações sustentáveis: sistemas de energias solar, tetos verdes, jardins verticais, e outros. Esse conceito tem estado em evidência nos últimos anos, desde que a maioria dos países voltou sua atenção para os problemas ambientais que estão ocorrendo, inclusive no Brasil.

As pessoas começaram a refletir sobre como viver em um ambiente sem causar prejuízos a ele, buscando formas alternativas e criativas para evitar gastos extras e danos ao ecossistema.

Utilizados originalmente para armazenar e transportar produtos grandes e pesados, os paletes são uma excelente alternativa para quem busca uma matéria-prima para construir objetos e móveis, pois são resistentes e duráveis. Desde mesas, cadeiras, suportes para televisão e estantes, esse material pode ser manejado por qualquer pessoa, independente da profissão, e, em alguns casos, sem gastar mais de 50 reais.

Refletindo sobre a enorme quantidade de paletes que estavam sendo jogados fora, João Trombetta, dono de uma loja de materiais de construção de Frederico Westphalen, verificou que 95% do material que recebe vem paletizado. Então, teve a ideia de montar cadeiras e mesas com esse material obsoleto. Em um momento de lazer, procurou ideias na internet e encontrou um modelo de banco feito de Kraft (material com características e resistência de madeira). A partir disso, começou a produção dos móveis com paletes, que é semelhante. Sem custo nenhum, exceto os parafusos e a cola, os itens já prontos são utilizados por ele e sua família. Mesmo não obtendo lucro algum, João reitera que a ideia de reutilizar é muito boa, inclusive conhece pessoas que fazem outros móveis e hortas suspensas.

Há diversas formas de reutilizá-los, um exemplo simples e funcional são os sofás, a Engenheira Florestal Dienifer Heckler, montou o seu com aproximadamente 100 reais, desde os paletes até as almofadas. A ideia surgiu com buscas na internet. Dienifer conta que sempre gostou muito de uma decoração mais rústica e que com a mudança de apartamento estava sem sofá, então decidiu fazer o seu.

Outro jeito singular de usabilidade desse material é nas empresas ou pequenos negócios para a decoração dos ambientes. Uma amostra disso é
a barbearia do Cristiano Ott, onde praticamente todos os móveis do espaço são feitos de paletes. O proprietário teve a ideia a partir de outro móvel que havia construído em casa, foi uma solução barata e prática para mobiliar o lugar, e gastando em torno de 30 reais. Ott, afirma que seus clientes aprovaram a ideia e que sempre recebe elogios.

Outra ideia…

Desde o início de 2016 vem sendo desenvolvido na Universidade Federal de Santa Maria – campus Frederico Westphalen, puffs feitos de pneus velhos. Funcionárias do Núcleo de Apoio Pedagógico (NAP) contam que a proposta surgiu quando Solange Kempka foi ao campus de Palmeira das Missões para seu mestrado e lá havia diversos puffs reciclados. A técnica-administrativa resolveu então trazer a sugestão para o campus de Frederico Westphalen a fim de proporcionar espaço para os e
studantes sentarem e, ainda, embelezar a área. Laís Piovesan afirma que quase todos os materiais utilizados são de origem sustentável: pneus usados e retalhos de espuma são doações; para o tampo, usa-se suporte para teclado velho; apenas o tecido impermeável para encapar e a tinta são comprados. O projeto irá continuar ao longo de 2017 visando obter mais recursos e aperfeiçoamento.

FAÇA VOCÊ MESMO!

Sofá de paletes

PASSO 1) Corte pedaços de E.V.A. do tamanho dos pés dos paletes para servir de base e não riscar o chão.

PASSO 2) Empilhe três paletes, formando a estrutura principal do sofá.

PASSO 3) Pegue estopa velha ou retalhos de espuma e encape. Coloque o resultado sobre a estrutura.

PASSO 4) Com colchões usados, faça o assento e o apoio. Para isso, corte-os ao meio e posicione-os como na foto.

PASSO 5) Para finalizar, decore seu sofá como preferir.

Textos e fotos: Gabrieli Wagner
Laura David Bucholz

Redação Jornalistica II

Faça o primeiro comentário a "Por um mundo sustentável"

Deixar uma resposta